A Quinta da Amizade é a primeira de um conjunto de obras encomendadas para os Concertos Sinfónicos Participados produzidos pela Foco Musical para a população escolar e pré-escolar. Utilizando a estratégia da audição musical participada ao vivo, a preparação das crianças para estes concertos exige trabalho de sala de aula prévio, conferindo momentos de cumplicidade únicos entre a plateia e o palco, cujos efeitos confirmaram em estudos recentes resultar em aprendizagens verdadeiramente significativas e numa apropriação de conhecimentos acima da média, comparativamente a abordagens tradicionais. Este trabalho em sala de aula leva a que a responsabilidade perante a construção do veículo extra-musical seja encarada com a mesma profundidade com que olhamos para a conceção musical e com que traçamos os nossos objetivos no domínio do desenvolvimento das competências musicais. Assim, como ponto de partida para a criação de obras inéditas para a atividade da Orquestra Didática, a Foco Musical procura ter um cuidado acrescido na seleção das temáticas para as narrativas a trabalhar. A solidariedade e a tolerância são os valores trabalhados em A Quinta da Amizade, através da história comovente de um Elefante que é rejeitado pelos outros animais por ser diferente!
Um Elefante procura abrigar-se da tempestade dentro de uma quinta onde já se abrigaram todos os outros animais. A sua peculiaridade – o seu tamanho, a sua cor, a sua forma… – faz com que não seja muito bem recebido entre os animais da quinta… É uma fábula sinfónica onde as personagens são animais representados por instrumentos da orquestra. A mensagem de solidariedade implícita incide no direito à diferença.
Com música de Jorge Salgueiro e com um poema de João Aguiar, a Canção da Amizade tornou-se um clássico, sendo já das canções mais conhecidas e reproduzidas no universo escolar português.

música e história Jorge Salgueiro

poema João Aguiar

interpretação Orquestra Didática da Foco Musical

edição Foco Musical & Fonoteca Municipal de Lisboa